domingo, agosto 29, 2004



Diálogo em espiral


-Passeio pelo labirinto do teu corpo. Desço escadas suaves feitas da tua pele e procuro o centro do teu prazer.
- Faço do meu corpo uma arquitectura impossível. Pernas colunas de alabastro, espelhos do teu olhar, coxas em arcos coloridos que te acolhem, candelabros de olhos em flashes brancos que iluminam os nossos corpos em formas labirínticas.
- Encontro-te. Ao fim de escadas impossíveis. Subo e desço e chego por fim ao teu êxtase total.
- Sabes que te amo?
- Sei. Mas agora dorme. Sonha com Escher



Texto desenhado por cima da foto do Z.