Powered by Blogger

terça-feira, agosto 31, 2004



Porque sim


Porque me apetece voar.
Porque gosto de janelas abertas por cima da minha vontade.
Porque gosto do azul dos olhos dos homens que me seduzem.
Porque uso, vaidosa, as cores com filtros dos meus desejos.
Porque sou a cor que te (me) apetece...
Porque me pintarei da cor que (te) me fizer feliz
e .. meu amor, porque sim.

tu nem sabes de que cor é a cor que uso nas noites claras...



cromaticos do efe


segunda-feira, agosto 30, 2004



Objectiva (em) Lagos (de cristal)





Fotografia de efe castelo

Guardo as cores do dia na gaveta. Arrumo as luzes dos sorrisos necessários.
Descalço os saltos de agulha e sinto o fresco da tua areia que me invade de memórias.

Passeio-me na praia que sempre sonhei.
Toco na água prateada com a palma das mãos.
Sei que cheguei a casa.
Acendo agora a tua lua e o seu brilho diz-me que voltarei a voar por cima da magia dos dias coloridos.
Esta noite sou prata e negro disfarçado de azul.



domingo, agosto 29, 2004



Diálogo em espiral


-Passeio pelo labirinto do teu corpo. Desço escadas suaves feitas da tua pele e procuro o centro do teu prazer.
- Faço do meu corpo uma arquitectura impossível. Pernas colunas de alabastro, espelhos do teu olhar, coxas em arcos coloridos que te acolhem, candelabros de olhos em flashes brancos que iluminam os nossos corpos em formas labirínticas.
- Encontro-te. Ao fim de escadas impossíveis. Subo e desço e chego por fim ao teu êxtase total.
- Sabes que te amo?
- Sei. Mas agora dorme. Sonha com Escher



Texto desenhado por cima da foto do Z.


sábado, agosto 28, 2004



Ensaio sobre o feminino


ensaio sobre o feminino pelos olhos da Lia



- E se eu voasse pela minha janela fora? E se eu dançasse o tango? E se eu escrevesse um poema esta noite?
- Se o fizesses de noite eu ver-te-ia reflectida na lua!
- Fá-lo-ei de noite (se houver vento) e ver-me-ás reflectida na objectiva do teu olhar.

Publicado num dia de um mês de março em Mulheres em Chamas

Fotografia de Lia Costa Carvalho



sexta-feira, agosto 27, 2004



Uma fantasia




recordo-me de olhos fechados o que nunca verei

(depois emendo as palavras, mudo a mão, descarto, escrevo de novo, baralho as cartas .. cut.. tão limpo, este novo baralho... e dou de novo, e vou outra vez a jogo)

recordo-me de olhos fechados o que ainda não vi

Fodografia de Misha Gordin - Conceptual phtography


quinta-feira, agosto 26, 2004



Em silêncio


sufoco o grito depois do orgasmo
sufoco o grito porque não me quero ouvir
sufoco o grito abafado no gesto

guardo o prazer
para o dia em que estarei viva

hoje sou uma estátua de mármore.

Toca-me!

A lisura da pele das estátuas
é igual à cor do meu desejo.



Fotografia de efe castelo sobre uma escultura de Silva Pereira


quarta-feira, agosto 25, 2004



À tua janela


Acordo com o sabor da noite nos lábios
vejo-me gata em telhado de zinco quente
ainda no reflexo da manhã em desalinho
desenho um rectângulo em branco no meu espelho

Com o dedo desenho no vidro
o contorno do meu corpo
com os lábios em surdina te nomeio
o reflexo brilhante devolve-me em desejo
surdo.. mudo.

Preciso de uma fotografia
Preciso das palavras feitas de cores e linhas.

Faço então a viagem necessária
até à tua janela, com o rio ao fundo
onde poso vaidosa para ti.

Na tua janela
onde me despes lentamente
onde beijas de olhos abertos o desenho
dos meu contornos
onde beijas de olhos claros o gemido
das minha cores.

Na tua janela
Recriamos o amor dos corpos reconhecidos
Reinventamos os sons do comboio aqui tão perto
Saboreamos os dias perdidos…
E enchemo-nos de azul….
Com o rio ao fundo. Lá ao fundo….
da tua janela


Fotografia de Edgar Keats